Início > Intervenção Precoce > O meu filho tem dois anos e não fala…O que fazer?

O meu filho tem dois anos e não fala…O que fazer?

10 de Fevereiro de 2015 Deixe um comentário Go to comments

transferirPor Inês Carneiro e Marta Sousa, Terapeutas da Fala

Ao longo do desenvolvimento os pais saboreiam cada etapa e anseiam os próximos ganhos dos filhos. Ficam orgulhos quando estes os presenteiam com as suas conquistas e aprendizagens, quando conseguem sentar, gatinhar, andar, falar…

Muitas vezes os pais sentem-se impacientes e com dúvidas face ao desenvolvimento normal das crianças, tendendo a comparar o seu filho com as crianças que os rodeiam. Surgem, então, perguntas como “O meu filho tem dois anos, será que já devia falar?”, “Por que é que já disse algumas palavras e agora já não diz?”, “Por que razão as outras pessoas não entendem o que ele diz se eu percebo tudo?”, “Será que os sons que troca são normais para a idade?”.

Assim como o andar, para que a criança comece a falar é necessário a presença de outros pré-requisitos. Antes do surgimento das primeiras palavras é essencial que a criança já tenha desenvolvido competências comunicativas e linguísticas.

Comunicação, Linguagem e Fala são conceitos distintos que não devem ser confundidos.

Comunicação

Desde os primeiros dias de vida as crianças são capazes de comunicar as suas necessidades e afetos através do choro, do olhar e do sorriso intencional, bem como da partilha de brinquedos com os cuidadores, potenciando o desenvolvimento das relações interpessoais.

Linguagem

Através destas partilhas a criança começa a perceber o mundo que a rodeia. Inicialmente compreende conceitos e associa-os a objetos ou situações, progredindo para a compreensão de frases. Numa fase inicial a criança ainda não é capaz de produzir palavras, mas à medida que as suas competências linguísticas se tornam mais ricas e as suas competências oromotoras mais maduras a criança está apta para produzir as primeiras palavras.

Fala

A fala representa a forma de comunicação mais elaborada que a criança pode utilizar para expressar as suas aprendizagens e conhecimentos. Exige a ausência de alterações anatómicas e funcionais ao nível das estruturas envolvidas na produção de fala (ex: língua, palato, músculos faciais…), bem como competências linguísticas que lhe permitam falar sobre os seus interesses e as situações em que participa.

Para perceber se o seu filho segue um desenvolvimento “saudável” é importante atender a alguns marcos do desenvolvimento da comunicação, linguagem e fala.

0 – 1 Ano

Estabelece contacto ocular com os interlocutores durante as interações comunicativas; responde ao nome; chora, ri, balbucia em resposta ao interlocutor; reconhece nomes de familiares e alguns objetos da sua rotina; produz sílabas em sequência (ex: [pa pa pa]); gosta de jogos de esconde-esconde; associa objetos à função (ex: pega na escova para pentear); surgimento das primeiras palavras.

1 – 2 Anos

Compreende perguntas (ex: Onde está o papá?); reconhece partes do corpo;  faz jogos de faz-de-conta; diminui o uso de gestos e usa cada vez mais a fala para comunicar; expressa cerca de 30 palavras diferentes; junta dois elementos na tentativa de formar frases (ex: popó papá); até aos dois anos é esperado que já seja capaz de produzir todas as vogais e sons correspondentes às letras: <p,t,c,b,d,g,m,n e nh>.

2 – 3 Anos

Compreende e usa vocabulário mais diversificado; conversa usando frases simples com 3 a 4 palavras; expressa-se de forma cada vez mais clara; demonstra interesse em como e porquê as coisas funcionam; escuta e reconta pequenas histórias;

3 – 4 Anos

Brinca com outras crianças de forma mais apropriada; compreende noções temporais; reconta histórias cada vez mais longas; utiliza conjunções (ex: por isso, porque).

4 – 6 Anos

Vocabulário mais elaborado, preciso e abstrato; compreende utiliza conceitos de tempo (ex: hoje, amanhã, tarde, noite) e conceitos de quantidade (ex: mais/menos; gosta de brincar com sons e palavras (ex: dividir palavras em sílabas, lengalengas e rimas); define conceitos pela função e pela categoria (ex: a banana serve para comer e é uma fruta); até aos 5 anos é esperado que seja capaz de produzir os sons correspondentes às letras: <f,v,s,z,ch,j>;  os sons correspondentes às letras R, r e lh podem surgir depois dos 5 anos e os grupos e encontros consonânticos (ex: prato e corda) podem surgir até por volta dos 6 anos.

Há alguns sinais/comportamentos que podem auxiliá-lo a identificar se deve estar alerta para o desenvolvimento do seu filho, identificando a necessidade de pedir ajuda:

0 – 1 ano

Não reage à estimulação sonora;

Não reage ao outro;

Não mantém contacto ocular;

1 – 2 anos

Não brinca;

Não compreende ordens simples ex.: “Dá a bola”;

Não combina duas palavras para formar frases Ex.: “Papá carro”;

2 – 3 anos

Não forma frases;

Discurso pouco compreensível;

4 – 5 anos

Leque de vocabulário pouco diversificado;

Diz palavras pouco inteligíveis;

Tem um discurso incoerente;

Tem dificuldade em recontar histórias ou em narrar acontecimentos da sua rotina;

Muitos pais acreditam que a entrada para o 1º Ciclo pode ser uma solução para algumas das lacunas apresentadas pelos filhos. No entanto, esta não deve ser encarada como a opção aceitável. Se as dificuldades que uma criança apresenta durante a idade pré-escolar não forem resolvidas precocemente, poderão repercutir-se em dificuldades na aprendizagem da leitura e da escrita, comprometendo o sucesso escolar e consequentemente o seu desenvolvimento psicossocial.

Outras crianças apresentam, durante a idade pré-escolar, um desenvolvimento aparentemente adequado à sua faixa etária, no entanto, à entrada para a escola observam-se dificuldades no processo de aprendizagem da leitura e escrita, que podem estar associados a défices linguísticos, não identificados anteriormente através da fala.

De algumas dificuldades que possam surgir destacam-se:

Troca de letras; omissão de letras e sílabas; união de palavras; dificuldade na escrita de frases;

dificuldade em extrair significado do que lê.

No caso de identificar um ou mais destes sinais, ou se tiver dúvidas quanto ao desenvolvimento do seu filho, pode recorrer a profissionais especializados no desenvolvimento da criança que o esclareçam.

Os Terapeutas da Fala são os profissionais responsáveis pela avaliação e intervenção nas perturbações da comunicação, linguagem, fala, motricidade orofacial e alimentação, podendo ajudá-lo a compreender o que faz parte de um desenvolvimento adequado daquele que necessita de auxílio especializado.

Lembre-se que para consultar um Terapeuta da Fala não é necessário que a criança apresente um diagnóstico clínico. Muitas delas podem evidenciar pequenas lacunas que com recurso a estratégias e alterações dos comportamentos dos cuidadores podem ser solucionadas, quando detetadas precocemente.

Retirado de  

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: