Início > Intervenção Precoce > Os bebés podem dormir na cama dos pais?

Os bebés podem dormir na cama dos pais?

image

Os bebés podem dormir na cama dos pais? Como fazer quando eles têm os sonos trocados? Por que é que os bebés não querem dormir? O psicólogo Eduardo Sá dá a resposta a estas e outras perguntas no seu novo livro “Dorme, bebé”.

Afinal, o bebé pode dormir com os pais. Mas só até aos quatro meses. Quem o diz é Eduardo Sá no seu livro “Dorme, bebé”, lançado recentemente. O psicólogo escreve que, entre os dois e os quatro meses, o bebé “atravessa um período difícil, em que as defesas imunitárias que acumulou com a gravidez atingem um ponto mais baixo”. E, por isso, faz-lhe bem dormir colado à mãe.

Em entrevista à Pais&filhos, Eduardo Sá explica que “quanto mais cuidarmos dos primeiros quatro meses de vida do bebé, mais saudável será o seu desenvolvimento posterior. E mais inteligente, mais acutilante e mais afoito ele se torna”. Parte desse cuidar – grande parte – está no contacto com a mãe, especialmente na hora de dormir, “altura em que o bebé está mais desamparado”.
O psicólogo lembra que a maternidade é uma relação que tem “muito de animal”. Assim, diz o autor, “quanto mais corpo de mãe o bebé tiver, mais seguro se torna, mais tonicidade e mais ritmo ele conquista, e mais mobiliza alguns centros nervosos que são particularmente amigos do sistema imunitário”.
Quando se fala em co-sleeping, especula-se muito sobre a questão da autonomia e da independência, mas Eduardo Sá garante que o bebé se “alimenta” desta cumplicidade com a mãe para “se tornar mais autónomo”. E explica: “Se, depois dessa tão grande cumplicidade, propiciarmos uma transição da cama da mãe para o berço do bebé, no quarto da mãe e – entre os oito e os 12 meses – levarmos o bebé do quarto dos pais para o seu, acompanhado da sua caminha, a autonomia não é um obstáculo, antes uma mais valia”.
Sonos trocados
É muito fácil trocar os sonos a um bebé. E este é outro dos problemas dos pais em relação ao sono do bebé. Eduardo Sá recomenda que se introduza algum “músculo” nas rotinas para adormecer. Acordar cedo, fazer a sesta na primeira metade da tarde, e, antes de adormecer, brincar, dar banho e, depois, o leite.
Se as rotinas são o que faz o bebé adormecer melhor, basta baralhar um bocadinho a ordem dos dias para também a hora de dormir se baralhar. “O sono é um ritmo relativamente sensível a diversas variáveis: ao perfil pessoal do bebé diante das rotinas, ao quotidiano do bebé (a hora de ele acordar, a hora da sesta, a “hora social”, antes ou depois do jantar) e, claro, a quem o adormece”, escreve Eduardo Sá. Qualquer mudança, por pequena que seja, vai deixar o bebé alerta.
Para que o sono volte à normalidade, Eduardo Sá recomenda aos pais que perguntem a si próprios: “Desde quando é que ele anda de candeias às avessas com o sono? O que sinto que ele me está a dizer com esta insónia toda?” Porque o bebé sabe muito bem o que se passa com os pais e se os vê preocupados insiste em querer animá-los. A insónia é uma forma de dizer, por exemplo: “De que é que têm medo? Eu estou aqui!!!”
Desabafar com o bebé
O sono das crianças é uma preocupação milenar. Prova disso, revela Eduardo Sá, são as várias personagens que foram sendo criadas ao longo dos séculos ligadas ao sono das crianças: Anjo da Guarda, João Pestana, Papão. Ou seja, a hora de as crianças irem para a cama não é um problema de agora e Eduardo Sá receia, até, que os pais da atualidade “estejam a transformar uma dificuldade milenar numa espécie de epidemia atípica”.
O truque para levar o assunto “sono” com mais naturalidade e leveza é, diz o psicólogo, arriscar mais como pais e não ter medo de errar. Porque quanto mais inseguros estão os pais, mais os bebés ficam também inseguros e menos vontade têm de dormir. E é por isso que naquele dia em que estamos tão desesperados para que o bebé adormeça rapidamente, porque queremos descansar ou porque temos ainda mil coisas para fazer, ele teima em manter-se acordado. É uma forma de dizer à mãe (ou ao pai): “Hoje tu não estás tão calma como é costume, por isso, à cautela, eu fico… de olho em ti”. E é pela mesma razão que mais vale desabafar com o bebé, dizer-lhe o que vai na alma, falar com ele sobre o que a preocupa. “O bebé é um excelente ouvinte!”, sublinha Eduardo Sá. Sabendo o que se passa com a mãe, percebendo que os “seus fantasmas foram domados”, já pode dormir descansado.

retirado de Pais & Filhos

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: